” O quê? ELE já anda por aí visitando as gentes! Já foi a Brava, S. Vicente,…

PaKé Gô !!! Dexal anda daqui pra acolá… ti xá bira café. De mim ninguem tira farinha. M***

O Estado, aqui, sou eu!

Quer estar perto das pessoas. Esteja á vontade…Isso não me aquece nem arrefece!

Vou deixá-LO á vontade!

O Estado, aqui, sou eu.

Quando é que ele vai vir com a «lenga-lenga» de inconstitucionalidade das medidas governamentais? Estou aqui, sossegadinho, á espera, C*** de M****.

Parece que a comunicação social já O segue por todo o lado. Que se f*****…

O Estado, aqui, sou eu!!

Quando é que ele  vai compreender que este povo já se habituou a reagir só a mim? Este ano ou no ano que vem? No final da sua legislatura? Espero que sim?

E se ELE não tomar cuidado ainda mando substituir os quadros com as fotografias DELE, nas repartições e admnistrações públicas, por um auto-retrato meu.

O Estado, aqui, sou eu.

A propósito, vocês têm me visto, ultimamente, a agir? De certeza que não.

Qualquer dia desses nem dou a cara! Não preciso! Parto para a minha constelação que é onde estão os astros-reis.

O Estado, aqui (e acolá), sou eu

 E se alguem dizer sequer uma palavrinha sobre o 13.º mês, mando-lhe f**** a c**** da sua m***. 

 Olhem bem para mim. Esta é a minha apoteose final. Este quadro sou seu. Não me confundam, por favor, com aquele patife do rock n’ roll – o Keith Richards – ok? Este é o meu auto-retrato: o Sr. Icon XIII (quase XIV). 

 

  

Anúncios

Ainda há milagres: um bairro algures nas recônditas margens de Achada Mato foi transformado em “Bairro Criativo” por Lúcio “O Milagreiro”, ministro do estado catártico da cultura caboverdeana,  e «o fenómeno de violência que antes existia na zona simplesmente desapareceu». Fantástico! Quem o afirma é o próprio «Milagreiro» que nem precisou de mensageiros para o fazer. Que tempos esses, ahn?! Sim, agora os «messias» dispensam mensageiros. Deduzindo das palavras d’ “O Milagreiro” tratou-se, pois, de um desvio messiânico uma vez que antes havia muita violência e pancadaria e agora não há! Os rudes, desesperados e intransigentes  jovens resolveram milagrosamente andar aos beijinhos e optar pela construção criativa do seu bairro, indo a formações profissionais e artísticas, todos sorridentes como se tivessem visto o Altíssimo. Nem foi preciso esperar mais tempo «sociológico» para que se conclua com maior veracidade essa «revolução antropológica». Está mesmo a vista de todos. Calcula-se que, em breve, os nossos «novíssimos» jovens viajarão pelo país todo a proclamar a boa nova e já se pensa na transformação do bairro em  local turístico-religioso, logo que comecem as peregrinações para essa vizinhança.

No fundo negro dessa enésima maravilha do mundo viu-se uma luz branca que ofusca! Pureza!

O Kamalion ficou preto e branco!

[RELATO]

«Começamos esta partida entre ELECTRA contra CIDADÃO a partir desta TRIBUNA VIP. A bola está do lado da equipa do CIDADÃOS. Numa jogada interessante lá vai a Dona Amélia com a sua bandeja de tarte em direcção ao forno eléctrico acabadinho de comprar… Na equipa adversária da ELECTRA, lá vai um funcionário na direcção do interruptor gigante… a Dona Amélia não desiste…contorna o corredor da sala em direcção á cozinha… vai a cantarolar…que felicidade! … prepara-se para meter a bandeja no forno eléctrico…será desta?!… Parece-me que sim…parece-me que sim.. Não!…Não!…Não foi! … CORTE DA EQUIPA DA ELECTRA! … Avança o funcionário na direcção de um outro interruptor. Que infelicidade, não é, Valdemar Bastos?».

[COMENTÁRIO]

«Pois é, José Carlos Vasconcelos…esta é uma partida desigual. Vamos lá ver se um ou outro jogador CIDADÃO consegue desequilibrar e levar avante o seu intento».

[RELATO]

«Pois é! Vamos ver se é desta que a equipa dos CIDADÃOS vence esta partida do Millenium! Agora é o Sr. Olavo, residente na Ponta D’àgua, que se prepara para pôr a trabalhar o seu berbequin eléctrico novinho em folha. Está a contornar a casa na direcção do barracão onde vai consertar a parte lateral. No extremo da cidade, vai outro funcionário da Electra na direcção do interruptor n.º ref. 1700037 A: …é da Ponta da Água!…é da Achada S.Filipe…ou é do Plateau!? Conseguirá o Sr. Olavo driblar a situação…já está a ligar o berbequin na tomada … ligou…assobia uma bela canção… a claque dos CIDADÃOS está ao rubro!!…o Sr. Olavo prepara-se para desferir o remate vital no power on do berbequin…Ligou… ohhhhh [voz em uníssono claque da sociedade civil]…falhou a Energia…falhou!…CORTE POR PARTE DA EQUIPA DA ELECTRA… in extremis.

[COMENTÁRIO]:

«… Espera aí, Jorge Carlos Vasconcelos. O Sr. Olavo sai lesionado do barracão com um dedo perfurado…está a contorcer de dores…»

[RELATO]:

«Que partida dramática! Faltam 30 segundos para o desfecho desta partida. A bola está agora em Naice, no extremo da cidade Palmarejo, cidadão exemplar, o melhor jogador da equipa dos CIDADÃOS, pagador exímio das contas…! Entra em força, acaba de abrir a sua caixa enorme do televisor plasma HDTV, ultima geração … liga todo sorridente o televisor … já está mesmo a ver as primeiras imagens … é desta!…é desta!…Não, não foi! CORTE GERAL! E lá se vai o plasma do Naice, queimadinho. Que prejuízo. O árbitro apita! … TERMINA A PARTIDA!  APAGÃO EM TODA A CIDADE. ESCURIDÃO TOTAL. NEGRO.

PLACAR:   ELECTRA: 3 X CIDADÃOS: 0                                                           

KAMALION ENTREVISTA A CRISTINA BOFETADAS

Kamalion: Quantas Cristinas Bofetadas vamos, ainda, poder ver daqui em diante?

Cristina Bofetadas: Penso que, no mínimo, umas quatro: uma que é ministra-adjunta, outra que é ministra da saúde, uma terceira que é mandatária de MIS e, finalmente, uma quarta que é dona de casa.

K: Com qual delas estamos a falar agora?

CB: Com as quatro. È que, não sei se sabe, mas eu consigo dominar essas quatro cabeças que eu tenho. Equilibro-me bem para a frente, para trás e para os lados, viste?

K: Pois é. Pareces a Medusa na tal mitologia grega?

CB: Medusa? Quem é essa? Conheço-a? È do partido? Porque se não for, leva uma bofetada.

K: Como é que podemos convencê-la das suas torpes afirmações á comunicação social? Existe alguma possibilidade da senhora ficar calada?

CB: Não sei. Porque é que não experimenta dar-me um tiro. Se calhar se me der um tiro calar-me-ei mas mesmo assim não garanto que isso vá constituir uma alternativa à questão. Não sei se me está a compreender.

[O Kamalion cospe para o lado e atira em desespero mais uma outra pergunta]

K: Mas porque é que a senhora pensa que tem sempre razão?

CB: Porque eu sou a Cristina Fontes, pô! Pode uma pergunta dessas?!

K: A senhora ainda está a ponderar um encontro com Manuel Faustino? Pode ser que consiga resolver alguns dos seus problemas, não é? Se calhar uma temporada no Hospital da Trindade esclarecê-la-ia melhor?

CB: Não se esqueça que sou a Ministra da Saúde. Esqueceu, seu atrasado mental?!!

[Kamalion muda de cor aqui]

K: Que assuntos pensa discutir com o Sr. Manuel  Faustino acerca do Hospital da Trindade?

CB: Vários. Um deles é saber como posso enviar para lá todos os que discordam de mim.

K: Ou seja, a metade do país? E como pensa fazê-lo? Qual a sua proposta?

CB: Alargaremos o Hospital, construindo mais áreas e remodelando a instalação de modo a incluir no meio dela, uma torre de vigia de onde dá para o Vigilante ver todas as enfermarias, corredores e salas de tratamento. Como o panóptico de Jeremy Bentham, sabe o que é isso, seu jornalista estúpido! È que temos que vigiar as pessoas. Já não se pode confiar nelas.

K: Bem isso parece uma ideia demasiado perigosa, não acha Sr.ª Ministra? E lembre-se que a senhora já não é a Ministra da Defesa.

CB: Claro que ainda sou! Porque é que acha que o Chefe de Estado Maior das Forças Armadas bateu com a porta? “Perigo” is my middle name, pô!!!

Perigo! VERMELHO!

Etiqueta: A ENTREVISTA

[Voz-Off no Ecrã e imagem vídeo da Ministra Janira “Amada” a correr dos paparaz…jornalistas]:

No rescaldo do pedido de exoneração do ministro Felisberto “Vai na Onda”, a ministra Janira “Amada” já acumula as pastas de Família e Assuntos Sociais juntando-se aos da Juventude, Emprego e Desenvolvimento de Recursos Humanos que já detinha. Na altura quando foi questionado sobre a sobrecarga de trabalhos que se lhe impôs a ministra Janira “Almada” não quis se pronunciar. Hoje por volta das 16 horas quando saia da sua casa, a TCV (Televisão de Caras Verdes) surpreendeu a ministra que, depois de muita insistência, lá se prontificou a corresponder às nossas insistências mas apenas com uma condição:

Janira “Amada”: «Ok, eu só respondo a uma única pergunta e nada mais. Pensem bem, antes de a fazerem, ok?»

Jornalista:   “Ok. Com mais duas pastas como pensa solucionar, praticamente, todos os problemas dos cabo-verdianos?”

Janira “Amada”: “Bem, como sabe, estes são problemas muitíssimo sérios mas não vou meter a cabeça debaixo da areia. Prefiro, antes, ser algo como…um camaleão! É isso: um camaleão! Assim, para melhor solucionar todos estes problemas decidi atribuir a cada uma das inúmeras pastas uma característica /qualidade particular. À pasta da Juventude atribuí o epíteto «Pule Calçada» termo muito familiar aos jovens cabo-verdianos, isto é, irei atribuir um incentivo em cervejas e refrigerantes aos jovens que vão passeando por todos estes passeios e rampas da cidade (e já são tantos!) para ver se há algum festival por aí onde possam se entreter e esquecer os problemas que os afligem. Pronto! À pasta do Emprego chamo-o, simpaticamente, de «Paradom», ou seja, nem vou mexer nela! A de Desenvolvimento de Recursos Humanos recebe o grifo de «Só Pa Style», e para solucioná-la vou organizar várias passagens de modelos para seleccionar os mais formosos & formosas e de seguida colocá-los na montra de uma instituição qualquer para apreciação. Nem precisarão de falar ou sequer mexerem-se! A pasta de Família designei, obviamente, de «Deus ta djudas!» quer dizer vou escolher a melhor prateleira da minha longa estante de vidro e vou deixar essa pasta lá, bem guardadinha, até à vinda do Senhor para o Juízo Final …. Por fim, a de Assuntos Sociais chamo-o carinhosamente de «Xinta Spera» ou seja, vou escolher a melhor vista da janela do Palácio do Governo para poder ver a Avenida Cidade de Lisboa, aconchegar-me bem no meu cadeirão de couro verde e ficar á espera que toda essa praga de mediocridade passe. Tenho esperança que tudo se vai resolver por si mesmo! Nem sequer vou mexer-me!”

Cor da Esperança: VERDE!

 

Welcome to WordPress.com. After you read this, you should delete and write your own post, with a new title above. Or hit Add New on the left (of the admin dashboard) to start a fresh post.

Here are some suggestions for your first post.

  1. You can find new ideas for what to blog about by reading the Daily Post.
  2. Add PressThis to your browser. It creates a new blog post for you about any interesting  page you read on the web.
  3. Make some changes to this page, and then hit preview on the right. You can always preview any post or edit it before you share it to the world.